Clique pare recarregar imagem

Curso de capacitação abre Semana Nacional de Aleitamento Materno em MS

Cursos de formação para técnicos de bancos de leite, atividades educativas para orientar a população sobre a importância da amamentação são algumas das ações programadas para acontecer em Mato Grosso do Sul como parte da Semana Nacional de Aleitamento Materno, que acontece entre os dias 25 e 31 de agosto.
Cursos de formação para técnicos de bancos de leite, atividades educativas para orientar a população sobre a importância da amamentação são algumas das ações programadas para acontecer em Mato Grosso do Sul como parte da Semana Nacional de Aleitamento Materno, que acontece entre os dias 25 e 31 de agosto. Conforme a programação, começou hoje e vai até quarta-feira, na Santa Casa de Campo Grande, o curso de formação para os profissionais dos bancos de leite humano sobre os novos procedimentos e controle de qualidade nos Bancos de leite. Ainda na quarta-feira, 24, o especialista da Fundação Osvaldo Cruz, Franz Reis Novack, fala sobre qualidade nos serviços oferecidos pela Rede Nacional de Bancos de Leite Humano. A palestra é no auditório da Santa Casa, às 19h30. Nos dias 29 e 31 de agosto, técnicos da SES (Secretaria Estadual de Saúde) e acadêmicos do Programa Home Care para Amamentação estarão no Supermercado Comper do Jardim dos Estados e Shopping Campo Grande distribuindo material informativo e orientando a população para os benefícios da amamentação para a criança. O Programa Home Care para a Amamentação, uma parceria da Uniderp (Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal) e SES, capacita acadêmicos sobre o funcionamento dos bancos de leite. Os alunos passam por um estágio supervisionado e depois realizam visitas domiciliares para tirar dúvidas da mãe sobre o aleitamento. O aleitamento materno A amamentação, além de ser um direito garantido à mãe e a criança, é fundamental para o desenvolvimento saudável ao bebê. O leite materno reduz os riscos de doenças respiratórias, infecções urinárias e diarréias, grandes responsáveis pela mortalidade infantil. Os benefícios do leite materno valem para a vida toda. Crianças que mamam têm menos chances de desenvolver diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares quando adultas. Para a mãe, a amamentação não só reduz o sangramento após o parto e como também diminui a incidência de anemia e câncer de mama e no ovário. Especialistas recomendam que a criança, nos seis primeiros meses de vida, deva se alimentar exclusivamente de leite materno. Após esse período, o bebê deve continuar mamando até os dois anos, mas a amamentação nesse caso torna-se uma alimentação complementar. Estimativas do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) mostram que se todas as crianças fossem amamentadas nos seis primeiros meses, 1,3 milhão de crianças deixariam de morrer a cada ano em todo o mundo. Mas a falta de acesso à informação e estímulo às mães são empecilhos para o aleitamento materno. Sugestão de Fontes Fátima Cardoso Cruz Scarcelli. Comitê Estadual de Estímulo ao Aleitamento Materno de Mato Grosso do Sul. Fone: (67) 318-1696/318-1704. Lílian Carvalho. Comissão Estadual de Bancos de Leite Humano de Mato Grosso do Sul. Fone: (67) 322-4174. Renata Sessa. Assessora de Imprensa da Secretaria de Estado da Saúde de Mato Grosso do Sul. Fone: (67) 318-1715/8123-9551. Ana Elizabete Melo Minussi. Setor de Aleitamento Materno da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande. Fone: (67) 314-3053. Rubens Trombini. Sociedade Brasileira de Pediatria/MS. Fone: (67) 322-4001. Maira Casarin. Responsável Banco de Leite do Hospital Universitário. Fone: (67) 345-3027. Fabiana Andrade. Responsável Técnica Banco de Leite do Hospital da Santa Casa. Fone: (67) 322-4174. Banco de Leite da Maternidade Cândido Mariano. Fone: (67) 384-9994. Sugestão de Abordagem Durante a Semana Nacional de Aleitamento Materno é interessante discutir a importância e a situação dos bancos de leite humano no Estado. Como funcionam, qual a demanda e as dificuldades encontradas. Além disso, é importante verificar o que é feito nos municípios onde não existe banco de leite humano. Informações Complementares: Dados do Relatório Situação Mundial da Infância 2005 revelam que a taxa de aleitamento materno em todo o mundo é de 37%. Índice de Aleitamento Exclusivo em Crianças menores de 4 meses no Estado de Mato Grosso do Sul segundo Município/Janeiro de 2005 Informações: www.aleitamento.org.br O que diz a Legislação Brasileira sobre o direito ao Aleitamento Materno: Direito ao aleitamento maternoO poder público, as instituições e os empregadores propiciarão condições adequadas ao aleitamento materno, inclusive aos filhos das mães submetidas à medida privativa de liberdade. (Estatuto da Criança e do Adolescente – artigo 9º) Licença maternidadeÀ empregada gestante é assegurada licença de 120 dias consecutivos, sem prejuízo do emprego e da remuneração, podendo ter início no primeiro dia do nono mês de gestação, salvo antecipação por prescrição médica. (Constituição Federal – artigo 7º inciso XVIII) Direito à garantia no empregoÉ vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa da mulher trabalhadora durante o período de gestação e lactação, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. (Ato das disposições constitucionais transitórias - artigo 10 – inciso II, letra b) Direito à crecheTodo estabelecimento que empregue mais de trinta mulheres com mais de 16 anos de idade deverá ter local apropriado onde seja permitido às empregadas guardar sob vigilância e assistência os seus filhos no período de amamentação. Essa exigência poderá ser suprida por meio de creches distritais mantidas, diretamente ou mediante convênios, com outras entidades públicas ou privadas como SESI, SESC, LBA, ou de entidades sindicais. (Consolidação das Leis do Trabalho – artigo 389 – parágrafos 1º e 2º) Pausas para amamentar Para amamentar o próprio filho, até que este complete seis meses de idade, a mulher terá direito, durante a jornada de trabalho, a dois descansos especiais, de meia hora cada um. Quando exigir a saúde do filho, o período de seis meses poderá ser dilatado a critério da autoridade competente. (Consolidação das Leis do Trabalho – artigo 396 – parágrafo único). Lei Estadual nº 2576/02. Aprovada em dezembro de 2002 a lei estadual institui a Política Estadual de Aleitamento Materno. Decreto Estadual nº 11.694/04. Aprovado em outubro do ano passado, autoriza a concessão de mais dias de férias à servidora pública estadual doadora aos Bancos de Leite Humano.